Ranking 2022
56/180
Nota: 68,46
Indicador político
53
66.77
Indicador econômico
72
46.77
Indicador legislativo
49
76.46
Indicador social
40
81.67
Indicador de segurança
79
70.63
Ranking 2021
48/180
Nota: 75,09
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

A Romênia pode se gabar de um cenário de mídia diversificado e relativamente pluralista que produz reportagens contundentes de interesse público. As pressões exercidas pelos proprietários, a falta de transparência no financiamento ou as dificuldades de mercado, no entanto, prejudicam a confiabilidade das informações.

Cenário midiático

Grandes grupos europeus (Ringier, PPT Group ou Dogan Media International) estão presentes no mercado ao lado de grandes e pequenos atores locais (Intact Media Group, RCS&RDS, Hotnews, G4Media, Recorder, Rise Project ou PressOne). O cenário da mídia romena reflete as tendências globais: o número de veículos impressos está diminuindo, enquanto a mídia online e os canais de rádio e televisão estão crescendo. As escolhas editoriais são muitas vezes subordinadas aos interesses dos proprietários, transformando a imprensa em instrumento de propaganda. 

Contexto político

Os meios de comunicação na Romênia carecem de independência e são vítimas de tentativas de interferência, sobretudo na nomeação dos diretores da rádio e televisão públicas, mas também do Conselho Nacional do Audiovisual. Este último também bloqueou informações sobre a propriedade de meios audiovisuais, sob o pretexto de proteger dados pessoais. A retórica política agressiva contra os jornalistas foi retomada pelo novo partido populista-nacionalista AUR, que também é a quarta força política no Parlamento romeno.

Quadro jurídico

A legislação que protege a liberdade de expressão e de imprensa é insuficientemente aplicada, embora esteja alinhada com as normas europeias, inclusive na esfera constitucional. A interferência dos promotores no trabalho jornalístico equivale a assédio e levanta sérias preocupações, enquanto a justiça tenta cada vez mais pressionar a mídia a revelar suas fontes. Os processos abusivos (SLAPPs) proliferaram, e as decisões judiciais nem sempre atendem aos padrões de liberdade de imprensa.

Contexto económico

Os mecanismos de financiamento da mídia são muitas vezes opacos ou até corruptos.  Embora as maiores empresas de mídia consigam ser autossuficientes, a maioria delas depende de fontes externas de financiamento, incluindo doações. Usar fundos públicos para comprar cobertura positiva pela mídia é uma prática política generalizada. 

Contexto sociocultural

O jornalismo de interesse público enfrenta a concorrência de campanhas de desinformação lideradas por alguns meios de comunicação e políticos, sobretudo no contexto da pandemia de Covid-19. Certas categorias da população tendem a aderir a essas campanhas, o que alimenta sua desconfiança na imprensa de qualidade.

Segurança

Os ataques a repórteres e jornalistas cidadãos estão aumentando de forma alarmante.  Um jornalista, um bibliotecário e um ativista ambiental foram severamente espancados em setembro de 2021 enquanto investigavam a extração ilegal de madeira. A vigilância continua a ser um problema, tendo o parlamento aprovado uma disposição legal - atualmente em análise pelo Tribunal Constitucional - que ampliaria o âmbito da interceptação de comunicações eletrônicas, incluindo pelos serviços de inteligência.