Noticias

20 Julio 2012 - Actualizado el 16 Octubre 2016

Um jornalista da Folha de São Paulo alvo do ódio de um antigo policial militar no Facebook


Um artigo publicado na edição de 14 de julho de 2012 nas colunas do diário Folha de São Paulo denunciava as declarações brutais e de apologia da violência publicados na conta de Facebook do ex-comandante da polícia militar de São Paulo (a chamada Rota), Adriano Lopes Lucinda Telhada, atualmente candidato a vereador nas eleições municipais de 7 e 28 do próximo mês de outubro. Desde esse dia, o autor do artigo, André Caramante, passou a ser também ele alvo das ameaças do antigo policial e de seus seguidores. Contatado pelos familiares do jornalista, Repórteres sem Fronteiras reclama a abertura de uma investigação.

“Tendo em consideração os comentários tecidos no Facebook contra André Caramante, o candidato Adriano Lopes Lucinda Telhada deverá prestar contas perante a justiça por suas declarações. As mensagens publicadas pelo ex-policial não só maculam a reputação do jornalista, como também incitam ao ódio contra ele e colocam em risco sua integridade física. Tais comportamentos, contrários ao Estado de Direito, justificariam que a justiça examinasse a elegibilidade do coronel Adriano Telhada”, considerou Repórteres sem Fronteiras.

Comandante da Rota até novembro de 2011, Adriano Lopes Telhada concorre ao cargo de vereador da prefeitura de São Paulo pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB, centro-direita). Centrando toda sua campanha na repressão daqueles que ele trata de “vagabundos” e “bandidos”, o ex-policial publicara na sua conta Facebook, no passado dia 22 de junho, a fotografia de dois jovens negros “suspeitos”, segundo ele e sem provas, de serem os responsáveis de um ataque a uma base da polícia militar. O post já foi partilhado quase mil vezes no Facebook.

Especialista da Rota, da qual por vezes critica os abusos, André Caramante não parou de receber ameaças desde seu artigo de 14 de julho. “Quem defende bandido é bandido também! Bala nesses safados!” foi uma das invetivas dirigidas contra o jornalista e visível na conta do ex-comandante, que apelida André Caramante de “notório defensor de bandidos”. Noutra mensagem colocada no Facebook, um policial militar chamado Paulo Sérgio Ivasava Guimarães atesta todo seu apoio ao seu antigo superior com essas palavras: “Esse Caramante é mais um vagabundo. Coronel, de olho nele.”

“Esse caso é ainda mais escandaloso por coincidir com a medida de censura prévia ordenada pela justiça do estado do Espírito Santo contra o jornal digital Século Diário, obrigado a retirar três reportagens e dois editoriais críticos para com um funcionário da administração judicial. Por quê censurar publicações que assumem seu papel de contra-poder e deixar passar incólumes mensagens de ódio difundidas na internet?”, se interrogou Repórteres sem Fronteiras.